LCA e LCI – Investimentos em Renda Fixa

É bem verdade que a nossa economia está enfraquecida, entretanto, é uma situação passageira e uma das soluções para a retomada do crescimento será estimular o empreendedorismo “produtivo” – aquele que gera novos empregos – além da aplicação de recursos do setor publico/privado na capacitação continuada da população sobre: renda, consumo e investimentos, ou seja, Educação Financeira de qualidade para todos. Claro que o governo terá uma participação relevante, deverá realizar os ajustes necessários a fim de propiciar o retorno da confiança dos investidores no mercado quando começar a cortar os gastos públicos e estimular investimentos em todos os setores ao reduzir impostos nas empresas. Até lá, o cidadão deve continuar consumindo apenas o necessário, sem desperdícios, e investir com sabedoria o percentual dos valores destinado para a realização dos seus sonhos, que por sinal, sempre lembramos nessa coluna sobre a importância da Orientação Financeira para esclarecimentos de algumas modalidades existentes no nosso país que oferecem o mesmo ou menor risco que a poupança e uma rentabilidade muito maior.

Nessa coluna falaremos das LCAs e LCIs, investimentos em Renda Fixa para construção de uma carteira diversificada para cada tipo de objetivo. Uma excelente oportunidade para “fazer” dinheiro, pois a taxa básica de juros, a Selic, continua aumentando na desesperada tentativa do Banco Central em conter o crédito e o consumo na expectativa à longo prazo de controlar a inflação.

A LCA – Letra de Crédito do Agronegócio é um título que as instituições bancárias emitem para financiamento do agronegócio, enquanto que a LCI – Letra de Crédito Imobiliário é um título de crédito emitido pelos bancos para captar recursos no mercado e investir nos financiamentos de imóveis. As aplicações em LCI e LCA têm como principal vantagem à isenção do imposto de renda (IR), dada pelo governo para atrair investidores.

Características das LCAs e LCIs:

  • Rentabilidade acima da poupança;
  • O Investimento mínimo (aporte inicial) é maior que o do CDB, geralmente a partir de R$ 30.000,00, devido à isenção de IR e varia de banco para banco;
  • Garantia do FGC – Fundo Garantidor de Crédito – até o limite de R$ 000,00 por instituição financeira, a mesma garantia da poupança;
  • A Acessibilidade (compra) é menor que dos CDB’s, visto que, algumas instituições oferecem apenas para clientes diferenciados;
  • Possui prazo de carência (liquidez), ou seja, será necessário cumprir o período do investimento para não perder a rentabilidade;
  • Podem ser pré-fixadas ou corresponder a um percentual do CDI (mais comum).

Antes de investir o dinheiro poupado em renda fixa, será necessário realizar um comparativo entre os produtos (CDB, LCA e LCI) verificando seus respectivos retornos e sempre conciliando com o prazo para a realização dos seus objetivos financeiros visando garantir uma excelente compensação. Em geral a rentabilidade em percentual do CDI para os CDBs, as LCAs e as LCIs são:

  • Quanto MAIOR o prazo/carência = MAIOR será o percentual do CDI
  • Quanto MAIOR o investimento = MAIOR será o percentual do CDI
  • Quanto MAIOR o banco = MENOR será o percentual do CDI

Enfim, existem investimentos com as mesmas garantias que a Caderneta de Poupança e que oferecem uma rentabilidade muito maior. Nesse momento de transição da economia brasileira, onde qualquer ganho de rentabilidade será bem vinda, o investidor brasileiro precisa ousar mais em outras aplicações e deixar apenas uma quantia suficiente na poupança para utilizar em caso de emergência. Lembre-se que o aprendizado de ontem deve ser aplicado no presente para colher os frutos no futuro. Investir é para todos, entretanto, apenas alguns conseguem dar o primeiro passo para prosperar e realizar sonhos!!! Até o nosso próximo encontro.

Edval Landulfo, Economista, Coach e Educador Financeiro

Artigo publicado no jornal Ei, Táxi agosto de 2015

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *